segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Vereadores cassados: Câmara acerta detalhes da sessão solene; Ouça entrevista com Moacir Longo


Fotos - Câmara Municipal  

Membros da Comissão da Verdade Vladimir Herzog da Câmara Municipal reuniram-se nesta segunda-feira (30/9) para acertar os preparativos para a sessão solene que devolverá os mandatos dos 42 vereadores paulistanos que foram cassados em diferentes momentos da história. 

As cassações ocorreram em 1937 (Estado Novo), 1947 (governo Dutra), 1952 (segundo governo de Getúlio Vargas), 1964 e 1969 (regime militar).

O presidente de honra do PPS e vereador cassado pelo regime militar implantado no Golpe de 64, Moacir Longo, presidirá a sessão solene agendada para o dia nove de dezembro, ás 19 horas, no Plenário da Câmara Municipal. O ato contará com a presença do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e do prefeito Fernando Haddad (PT), além de representantes do Tribunal Regional Eleitoral e terá transmissão ao vivo da TV Câmara

Até lá, uma comissão formada especialmente para a ocasião tem buscado encontrar esses parlamentares e suas famílias, para garantir que todos recebam — ainda que in memorian — o diploma.

Ouça abaixo a entrevista de Moacir Longo para a repórter Erika Perestrelo, da Web Rádio Câmara.





 Os 42 cassados 

Alcides Chagas da Costa (1937)

Alexandre de Albuquerque (1937)

Antônio Cândido Vicente de Azevedo (1937)

Francisco Machado de Campos (1937)

José Cerquinho de Assumpção (1937)

José Ferreira da Rocha Filho (1937)

Luiz Augusto Pereira de Queiroz (1937)

Miguel Pinto Capalbo (1937)

Modesto Naclério Homem (1937)

Thiago Masagão Filho (1937)

Thomaz Lessa (1937)

Abrahão Ribeiro (1937)

Achilles Bloch da Silva (1937)

Gaspar Ricardo Júnior (1937)

José Adriano Marrey Júnior (1937)

Luiz Tenório de Brito (1937)

Orlando de Almeida Prado (1937)

Reynaldo Smith de Vasconcelos (1937)

Sylvio Margarido (1937)

José Ferreira Alves Cyrillo (1937)

Elisa Kauffmann Abramovich (1947)

Mário de Souza Sanches (1947)

Orlando Luís Pioto (1947)

Adroaldo Barbosa Lima (1947)

Antonio Donoso Vidal (1947)

Armando Pastrelli (1947)

Calil Chade (1947)

Iturbides Bolivar de Almeida Serra (1947)

Benedicto Jofre de Oliveira (1947)

Benone Simões (1947)

Raimundo Diamantino de Souza (1947)

Meir Benaim (1947)

Mauro Gattai (1947)

Luiz João (1947)

Carlos Niebel (1947)

Ramiro Luchesi (1952)

Floriano Francisco Desen (1952)

Abilio Martins da Costa (1952)

Dante Pelacani (1952)

Moacir Longo (1964)

José Tinoco Barreto (1969)

Francisco Mariano Guariba (1969)

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

CPI investiga gasto de empresas contratadas pela SPTrans

Com o foco recuperado, a CPI dos Transportes segue ouvindo empresas que trabalham junto à SPTrans na gestão do sistema de ônibus da capital. Na manhã da última quinta-feira (26/9), os vereadores realizaram uma oitiva com representantes da Noxxon Sat, responsável pelo monitoramento de ônibus na capital, da MobiBrasil, que possui veículos operando em parte da frota da capital e da SITAT, que produz softwares de supervisão de frotas.

Os vereadores questionaram os empresários sobre os custos e a forma de funcionamento dos equipamentos administrados pelas companhias. E reuniram informações significativas para o processo de investigação.

Concessionária que detém o gerenciamento de 308 ônibus e 12 vans do programa de assistência a deficientes físicos da Atende, a MobiBrasil declarou um salto de mais de 20% nos lucros entre 2009 e 2010, um ano depois de ser contratada pela prefeitura.

Outra importante informação levantada foi a  que trata de uma renovação do software da SPTrans para implantação de novos mecanismos nos coletivos, como acelerômetro e contador de passageiros. A atualização, que custou cerca de R$ 300 mil, não gerou benefícios para o sistema, uma vez que os itens não foram instalados na frota da cidade.

Nas últimas reuniões, a CPI passou a ouvir mais de uma empresa na mesma reunião, cruzando e conferindo as respostas em tempo real. As companhias foram questionadas sobre valores de contratos em serviços de bilhetagem e verificou a existência de contratos que, mesmo vencidos, não passaram por novas licitações, funcionando agora de forma emergencial.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Câmara vai devolver mandatos de vereadores cassados; Moacir Longo presidirá sessão




Reparar erros históricos. Com esse objetivo, os vereadores aprovaram na tarde desta quinta-feira (26/9) o Projeto de Resolução 26/13, de autoria dos parlamentares integrantes da Comissão da Verdade - Calvo (PMDB), José Américo (PT), José Police Neto (PSD), Juliana Cardoso (PT), Laércio Benko (PHS), Mário Covas Neto (PSDB), Natalini (PV), Orlando Silva (PCdoB) e Ricardo Young (PPS) -, que “reconhece como atos antidemocráticos e injustos a cassação dos direitos políticos de vereadores eleitos, ocorrida no ano de 1937, a cassação da diplomação de vereadores eleitos, sucedida no ano de 1952, a cassação de direitos políticos de vereadores eleitos, ocorrida nos anos de 1964 e 1968”. 

Reconhecida as injustiças, o próximo passo é organizar a sessão solene oficial da Câmara para a entrega dos diplomas de todos os cassados. Quem presidirá a sessão, marcada para o dia nove de dezembro no Salão Nobre da Casa, às 19 horas, é o presidente de honra do PPS, Moacir Longo, vereador cassado pelo regime militar em 1964. A Casa também confeccionará uma placa com os nomes de todos os cassados, que ficará exposta no saguão. 

“É uma grande oportunidade para repararmos um lapso histórico de governos antidemocráticos, autoritários, que usurparam mandatos de representantes do povo paulistano eleitos democraticamente”, saudou Ricardo Young (PPS), membro da Comissão da Verdade da Câmara.


Já o vereador Gilberto Natalini (PV), também preso pela Ditadura, fez o encaminhamento da votação do Projeto em plenário. “como Presidente da Comissão da Verdade, sinto uma honra profunda por estar participando desse processo”, afirmou. Abaixo, a íntegra do discurso do parlamentar.

“Sr. Presidente, Sras. e Srs. Vereadores, telespectadores da TV Câmara São Paulo, fiz questão de subir a esta tribuna para encaminhar favoravelmente a aprovação deste PR, que restitui simbolicamente, de forma democrática, os mandatos dos Vereadores cassados de 1937 a 1969.


É preciso que se diga, Sr. Presidente, que o nobre Vereador Orlando Silva já encaminhou um projeto semelhante que restitui os mandatos dos Vereadores cassados em 1946, que são Vereadores que pertenciam, em sua totalidade, ao Partido Comunista do Brasil. 


Nós complementamos esse projeto, a partir da Comissão da Verdade, com os demais Vereadores.

Somando, então, os 15 Vereadores cassados em 1946, que pertenciam ao Partido Comunista do Brasil, com os 27 Vereadores que foram cassados de 1937 a 1969, temos 42 Parlamentares, Vereadores de diversas legendas partidárias, que tiveram os seus mandatos legislativos cassados por atos arbitrários, de Governos, de regimes arbitrários, ou mesmo atos judiciais que atentaram contra a escolha do voto popular.

Então, acredito que este PR, juntamente com a iniciativa do Vereador Orlando Silva, é histórica. Estamos votando, aqui, um projeto histórico para a cidade de São Paulo e para o Brasil, onde vamos restituir 42 mandatos de Parlamentares, de Vereadores desta Casa. Quer dizer, 27 mais os 15 que o nobre Vereador Orlando Silva teve a iniciativa, e devolvendo a prerrogativa parlamentar.

É preciso que se diga, também, que só localizamos dois Vereadores, destes 27 que estamos votando hoje, vivos. Um tem 92 anos e o outro é o ex-Vereador Moacir Longo que também foi cassado e hoje está com mais de 80 anos. Vamos devolver aqueles que estão em vida, simbolicamente, os mandatos. E aqueles que não estão mais entre nós, estamos chamando as famílias. É um trabalho enorme a localização dessas famílias, ainda há quatro famílias que não conseguimos localizar. É um resgate histórico, os arquivos não são fáceis de serem encontrados. 

Então estamos fazendo um verdadeiro trabalho de investigação para que no dia 09 de dezembro, às 19h, no Salão Nobre, o Presidente da Casa possa abrir uma sessão solene para restituir e entregar simbolicamente à família desses Vereadores o mandato que lhes foi tirado.

Quero dizer que, como Presidente da Comissão da Verdade, sinto uma honra profunda por estar participando desse processo. E quero dizer que este projeto de resolução é assinado por mim, como Presidente da Comissão da Verdade, e pelos Vereadores Mario Covas Neto, Laércio Benko, Ricardo Young, Calvo, José Police Neto e Juliana Cardoso. Também assinado por V.Exa., que é Presidente da Câmara, e chamamos ainda para compor este projeto o Vereador Orlando Silva, que teve a iniciativa conjuntamente de restituir o mandato aos 15 do período que já citei.

A Câmara Municipal de São Paulo, através do que vamos aprovar hoje, marca uma posição histórica na medida em que, independente do partido, porque entre esses Vereadores há um que foi do Partido Integralista, um homem conservador de extrema direita, que receberá o mandato que lhe foi cassado. Então há comunistas, socialistas, democratas sem uma posição ideológica mais firmada, e um do Partido Integralista. São 42.

Quero parabenizar meus colegas por terem permitido que este projeto, em acordo, fosse trazido aqui, votado, e dia 09 de dezembro, sob a batuta da Mesa da Câmara, do Presidente, Vereador José Américo, da nossa Comissão da Verdade e da Comissão de Direitos Humanos, presidida pela Vereadora Juliana Cardoso, vamos fazer no 8º andar, Salão Nobre, uma ação simbólica de enorme envergadura: restituir simbolicamente o mandato a esses parlamentares cassados pelas ditaduras no Brasil.

Ditadura nunca mais. Temos nossas divergências, mas a democracia é o caminho correto. E estamos praticando a democracia. Muito obrigado”.

Projeto de Ari Friedenbach aumenta valor de seguro para efetivo da GCM


O vereador e líder do PPS na Câmara Municipal, vereador Ari Friedenbach, protocolou nesta semana o Projeto de Lei 612/13, que autoriza a Prefeitura a aumentar o seguro de vida e por invalidez para os integrantes da Guarda Civil Metropolitana. 

A proposta atualiza monetariamente o valor fixado dez anos atrás, em 2003, pela Lei Municipal 13.661 - o seguro será limitado a R$ 200 mil (inflação dos últimos dez anos). “Assim equiparamos com o seguro dos policias civis e militares do Estado”, justificou o líder da bancada. 

Veja aqui todos os projetos protocolados pelo vereador. 

Taxistas reclamam de corte em alvarás e questionam nova licitação para o serviço

A Comissão de Transportes da Câmara ouviu, na reunião de quarta-feira (25/9), queixas de motoristas de táxis sobre a ação da Justiça de São Paulo que determinou o cancelamento dos alvarás de funcionamento do serviço na cidade. Os taxistas questionam os possíveis critérios da nova licitação que poderá ser aberta pela Prefeitura. Segundo eles, condutores que já possuem permissões e operam no setor há décadas podem perder seu registro permanentemente.

Presidente da Associação dos Taxistas do Estado de São Paulo (Atasp), Edson Senna criticou a decisão. “Sabemos que há processos irregulares no meio. Entretanto, não podemos deixar de questionar o que será feito dessa nova licitação, pelo tempo que algumas pessoas têm de trabalho no ramo, com permissão. Alguns já estão lá há 40 anos, é injusto perderem seus alvarás”, disse. Os associados ainda se queixam de que empresas poderão se apropriar da maioria dos novos alvarás, restringindo a continuidade de antigos donos.

A ação pública foi tomada devido a denúncias de transferência, venda e aluguel irregulares de alvarás na cidade. A Justiça determinou que a administração municipal inicie novo processo de concessão no prazo de 180 dias. O prefeito Fernando Haddad (PT) já demonstrou ser contrário à medida alegando que ela “prejudica a sobrevivência das famílias que dependem do serviço”.

O presidente da Comissão, Senival Moura (PT), disse que não poderá haver o que chamou de “reserva de mercado” no setor. “Licitação direcionada para empresas ou autônomos não poderá ser feita. Isso é reserva de mercado, não existe. Todos precisarão passar por novo processo. O que podemos discutir é um sistema de pontos para quem já está no ramo. O Legislativo, entretanto, não pode definir como esse processo será feito. Podemos somente sugerir melhorias”, disse.

Os vereadores discutiram com os condutores a possibilidade de uma audiência pública na Casa para tratar do tema. O encontro, que ainda não tem data marcada para acontecer, reunirá representantes do poder público e de organização ligadas ao setor. “Estou percebendo, por diversos exemplos, que a audiência pública é a melhor forma de melhorar propostas. A discussão coletiva faz com que todos os interessados possam ter suas exigências ouvidas”, apontou o vereador Ricardo Young (PPS).

Trabalho Conjunto

O vereador Claudinho de Souza (PSDB) sugeriu a discussão conjunta entre as comissões de Transportes e de Administração Pública a respeito da proposta da Prefeitura de flexibilizar as regras para circulação de fretados na cidade, diminuindo de 45 para 24 o número de vias restritas para os coletivos. “Há muitos interesses relativos a essa questão. Poderemos, juntos, viabilizar uma audiência pública para tratar do tema”, disse.

Ricardo Young ainda comentou a implantação do sistema de linhas noturnas de ônibus na capital, que ocorrerá em janeiro. Os chamados “corujões” vão operar em 140 linhas espalhadas pelas regiões centrais e periféricas da cidade, das 0h30 às 3h. “Esse é um dos pleitos mais requeridos da cidade, principalmente pelos jovens, que reclamam da disponibilidade de ônibus nesses horários. Fico feliz pela medida”, elogiou.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Secretária conta como Nova York venceu os problemas de mobilidade


Com informações do Site da Câmara

A secretária de Transportes de Nova York (Estados Unidos), Janette Sadik-Khan, afirmou nesta quarta-feira (29/9) que é possível ter mobilidade em grandes cidades sem “gastar muito dinheiro”.  A americana - popularmente conhecida como “secretária das bicicletas” – realizou uma palestra na Câmara Municipal durante o seminário “A Bicicleta em São Paulo: Políticas Públicas para Transformar a Cidade”, promovido pela Frente Parlamentar em Defesa da Mobilidade Humana.

Durante o evento, Janette revelou que a mobilidade pode ser resolvida rapidamente e com pouco recurso financeiro. “Você pode esperar anos de estudos para mudar as coisas, no entanto, a solução pode ser mais rápida e não tem que custar muito dinheiro. Pintar as ruas para determinar quais são as faixas de ônibus, quais são para ciclistas e também a extensão das calçadas para ressaltar a segurança dos pedestres”, explicou a secretária.  Segundo ela, essas medidas são importantes para cidades que não tem um sistema abrangente de metrô.

As iniciativas para melhorar o trânsito, ressaltou Janette, devem beneficiar a todos. “O fundamental é projetar a rua para acomodar todos os usuários, porque cada um que transita pelas vias tem seu papel”, afirmou. Ela disse que várias campanhas de segurança foram realizadas na sua cidade para reduzir a velocidade dos carros e evitar acidentes. “Hoje temos ruas mais seguras”, acrescentou.

Bicicletas

Nova York tem, segundo Janette, 600 quilômetros de ciclovias, que foram construídas em seis anos.  “Foi um trabalho duro que precisamos fazer para criar redes interconectadas, porque nós tínhamos ciclovias, mas elas não se conectavam. Isso fez com que aumentasse o número de ciclistas na cidade, já que além das vias, aumentamos a segurança das ruas e os locais para as pessoas poderem estacionar as bicicletas”, revelou.

As mudanças no trânsito priorizando todos os modais em Nova York permitiu uma melhoria na economia. Exemplo disso, segundo Janette, é que após o fechamento da Times Square para a passagem de carros, o local se tornou um dos principais locais de varejo do mundo. “As vendas comerciais aumentaram e o aluguel dos imóveis também dobraram”, sinalizou.

Feliz com a participação no seminário, Janette incentivou que a capital paulista promova ações para as mudanças no trânsito. “São Paulo não pode esperar para tomar providências enquanto ela se desenvolve”, disse.

São Paulo

Para o presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Mobilidade Humana, vereador Floriano Pesaro (PSDB), o debate é fundamental. “Temos a responsabilidade de discutir e nos organizar para apresentar propostas realista onde diversas modalidades de transporte possam ser utilizadas”, declarou.

Já para Ricardo Young (PPS), presidente da Frente Parlamentar de Sustentabilidade da Câmara, a transfiguração do sistema viário de Nova York, em seis anos, passou do monomodal para múltiplos modais.

“O império dos automóveis virou espaços vivos do cidadão. Entender, fazer, avaliar e perenizar políticas públicas foi o que o governo fez nos últimos tempos. Se hoje temos retorno das pessoas às ruas e aumento das vendas nas lojas, é em decorrência dessas medidas, que mostram que Nova York volta a ser uma cidade para as pessoas. Janett mostra que Haddad não pode deixar de ousar, porque quando há vontade popular e realismo político, não há nada que impeça a transformação”,disse.

Ricardo Young debate Educação Ambiental


O vereador Ricardo Young (PPS) participou na manhã desta quarta-feira (25/9) da audiência pública que discutiu o Projeto de Lei 235/12, que dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental nas escolas municipais. A audiência foi convocada pela Comissão de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente.

“Percebemos que existe uma preocupação para alinharmos as secretarias municipais e os diversos atores em torno do tema educação ambiental”, afirmou Young, que é presidente da Frente Parlamentar da Sustentabilidade da Câmara. 

"Qualquer política prescinde da educação ambiental para se ter sucesso", afirmou a arquiteta e urbanista Nina Orlow, da Rede Nossa São Paulo, Agendas 21 Locais e Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Já a especialista em sustentabilidade Rachel Trajber ressaltou a importância de se reforçar a ‘Uma Paz’ (Universidade Aberta do Meio Ambiente e Cultura de Paz) como referência de educação ambiental para que se ratifique como um espaço de informação amplo para temas de sustentabilidade, meio ambiente e principalmente para prevenção de desastres ambientais. 

"Muito importante a implementação de centros de referência em cada subprefeitura para erradicar o tema de forma ampla", disse Trajber

Na sequência, Odair Matarensi Junior, do departamento de Educação Ambiental da ‘Uma Paz’ afirmou que já existe um projeto em andamento que visa envolver as 32 subprefeituras (incluindo já a de Sapopemba) como pólos de difusão e referência em educação ambiental, atuando inclusive como articuladores junto a outros órgãos e secretarias.

O Projeto, que é de autoria do vereador Dalton Silvano (PV), receberá um substitutivo com propostas sugeridas pelas entidades civis e por outros parlamentares. 

Segurança Pública: Líder do PPS propõe parceria com a OAB-SP


O presidente da Comissão de Segurança Pública da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP), Arles Gonçalves Junior, reuniu-se nesta terça-feira (24/9) com o vereador e presidente da Comissão de Segurança Pública da Câmara, vereador Ari Friedenbach (PPS). 

“Ao lado do vereador Calvo (PMDB), conversamos sobre as possíveis parcerias entre OAB e Câmara para a formulação de políticas públicas para o combate da violência na nossa cidade”, explicou Friedenbach.  

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Grupo de estudos analisará impactos ambientais das obras do Rodoanel




A Frente Parlamentar pela Sustentabilidade, presidida pelo vereador Ricardo Young (PPS), reuniu-se nesta terça-feira (24/9) com o prefeito da cidade, Fernando Haddad. Em pauta, a compensação ambiental e social para as obras do Rodoanel trechos Norte e Sul, inspeção veicular municipal e estadual, contaminação do solo e passivos ambientais.

Além do prefeito, participaram da reunião os secretários municipais Ricardo Teixeira (Meio Ambiente) e Antonio Donato (Governo) e o secretário estadual (Meio Ambiente), Bruno Covas, além de diversos técnicos da Cetesb, e os vereadores Gilberto Natalini (PV), Mario Covas Neto (PSDB), Nabil Bonduki (PT) e Toninho Vespoli (PSOL). 

Após os debates, ficou acertado a montagem de um grupo de trabalho entre as duas secretarias de meio ambiente (Estado e Município) e assessores dos parlamentares para análise dos impactos ambientais causados pelas obras do Rodoanel e da instalação da inspeção veicular estadual. 

Câmara discutirá o papel da bicicleta em São Paulo



O vereador Ricardo Young (PPS) e a Frente Parlamentar em Defesa da Mobilidade Humana promovem no próximo dia 25 de setembro, quarta-feira, das 15h às 21h, o Seminário “A Bicicleta em São Paulo”. O evento será realizado no Plenário Primeiro de Maio da Câmara Municipal. 

Na oportunidade, organizações dos cicloativistas em São Paulo e parlamentares discutirão as saídas para que a bicicleta seja introduzida definitivamente como meio de transporte na cidade. O encontro contará com a participação especial da secretária de Transportes de Nova Iorque, Janette Sadik-Khan.

“A Bicicleta em São Paulo: Políticas Públicas para Transformar a Cidade”

Data: 25/09/2013 Quarta – 15h

Local: Câmara Municipal de São Paulo – Plenário Primeiro de Maio
Viaduto Jacareí, 100 – 1º andar

PROGRAMAÇÃO

15h – 15h30 
Mesa de Abertura com as autoridades presentes

15h30 – 16h30
Palestra Magna - Secretária da Transporte de NY Janette Sadik-Khan
(políticas públicas e articulação entre os poderes para implantação do programa “Sustainable Streets” e aspectos relativos às bicicletas)

16h30 – 17h45 
Mesa 1 : Apresentação dos Trabalhos da Frente Parlamentar em Defesa da Mobilidade Humana

(GTs Marco legal e Orçamento)
das 16h30 às 17h15 – Legislação
das 17h15 às 17h45 - Orçamento

17h45 – 18h15 
Intervalo

18h15 – 19h30
Mesa 2: Gestão da Política Municipal de Mobilidade por Bicicletas

Expositores:
- Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano
- Secretaria de Coordenação de Subprefeituras
- Companhia de Engenharia de Tráfego

19h30 – 20h30
Mesa 3 : Políticas de Fomento, Educação e Cultura da Bicicleta

- Sabrina Duran - jornalista, site Na Bike
- João Lacerda (associação Transporte Ativo)
- Jaime Oliva - Geógrafo, professor da USP, com doutorado Geografia Urbana baseado em pesquisa sobre a automobilização da metrópole de São Paulo

Objetivo da Frente Parlamentar:

Abrir um espaço de debates para as questões relacionadas à mobilidade em São Paulo, especialmente para dar destaque aos cidadãos que se locomovem sem a utilização de veículos motorizados (pedestres, pessoas com deficiência e ciclistas). A Frente Parlamentar é composta por vereadores de diversos partidos, portanto é suprapartidária. As reuniões da Frente são públicas, abertas à participação de entidades, da sociedade civil e de indivíduos interessados no tema.

Confirme a sua participação pelo endereço eletrônico mobilidadehumana@camara.sp.gov.br

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Guarda Civil recebe novas viaturas



O vereador Ari Friedenbach, líder do PPS na Câmara, prestigiou nesta segunda-feira (23/9) a entrega de 180 novos veículos para a Guarda Civil Metropolitana. 

A GCM também vai contar com cinco micro-ônibus equipados com tecnologia para monitorar a cidade e auxiliar no programa “Crack, é possível vencer”.

“As novas unidades fazem parte de uma série de melhorias que a Prefeitura está fazendo para a GCM, principal instrumento de segurança do município”, afirmou o vereador..

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Como contribuir para a qualidade da democracia



O vereador Ricardo Young (PPS) convida a população para o evento ‘Diálogos Políticos’, que irá discutir o tema: ''Como contribuir para a qualidade da democracia brasileira?''

O evento será realizado na próxima segunda-feira (23/09), às 19 horas, na Câmara Municipal de São Paulo - Sala Sérgio Vieira de Mello, 1º subsolo. Participe!

Líder do PPS participa de ações no Dia da Árvore


Em comemoração ao Dia da Árvore (19/9),o vereador e líder do PPS na Câmara, vereador Ari Friedenbach participou do plantio de 20 árvores na Praça Paulo Kobayashi, em torno do legislativo.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Vereadores criticam empreendimento na zona oeste

Com apenas três itens na pauta desta quarta-feira (19/9), os vereadores da Comissão de Trânsito e Transportes da Câmara aplicaram a maior parte do tempo da reunião de hoje na discussão sobre o empreendimento Jardim das Perdizes, um minibairro que será construído na Zona Oeste da capital. A planta do condomínio planeja a implantação de 28 torres no terreno. Os parlamentares questionaram os impactos que as edificações poderão gerar na região.

“Faltam condições de mobilidade na região para atender à demanda que será criada. Somos totalmente favoráveis a todos os grandes empreendimentos da cidade, desde que eles não tragam prejuízos e transtornos a ela”, apontou Aurélio Miguel (PR), que irá enviar, ao Executivo, pedidos de esclarecimento sobre a construção.

O vereador Ricardo Young (PPS) ressaltou a necessidade de se observar a obra. “Estamos vivendo um adensamento imenso na cidade, precisamos estar mais atentos a isso, até porque, há nessa Casa uma discussão sobre a Operação Urbana Água Branca, que diz respeito a essa elevação do número de moradores na região”, disse.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Comissão de Saúde convida representante do Instituto Brasileiro de Cancerologia Torácica

O líder do PPS, vereador Ari Friedenbach, aprovou nesta quarta-feira (18/9), durante a realização da Comissão de Saúde, Promoção Social, Trabalho e Mulher, requerimento (37/13) fazendo convite à diretoria do Instituto Brasileiro de Cancerologia Torácica (IBCT) para expor ao colegiado os detalhes do programa “Consciência Total” – projeto de apoio ao sistema público de saúde que tem como objetivo agilizar a confirmação do diagnóstico e o tratamento de indivíduos com suspeita de câncer de pulmão.

O Instituto Brasileiro de Cancerologia Torácica (IBCT) é uma sociedade civil sem fins lucrativos e presta assistência ao serviço público desde 1990. “Também queremos saber eventuais dificuldades que o Instituto vem enfrentando para a viabilização deste programa junto ao sistema municipal de saúde”, explicou Friedenbach. Segundo a Comissão, o representante do IBCT deverá comparecer no próximo dia dois de outubro, quarta-feira, no Salão Nobre da Câmara.  

Friedenbach participa de inauguração de nova unidade da Unibes



O líder do PPS, vereador Ari Friedenbach,  participou nesta quarta-feira (18/9) da inauguração da unidade Bom Retiro da União Brasileiro-Israelita do Bem-Estar Social (Unibes). O deputado estadual do PPS, Vitor Sapienza, também participou do evento

Atualmente, a instituição atende cerca de 14 mil pessoas, de 2 a 100 anos, em vários projetos nas áreas de promoção humana, educação, saúde e cultura. Dar oportunidades e ajudar a formar cidadãos autônomos é a base dos programas desenvolvidos na instituição. 

“A Unibes é referência no terceiro setor e uma das maiores do país em seu segmento de atuação”, afirmou parlamentar. 

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Especialistas em sustentabilidade defendem ação coletiva


Site da Câmara

Especialistas, professores, vereadores e cidadãos participaram nesta segunda-feira (19/9) do seminário “Educar para a Sustentabilidade – Desafios e Perspectivas”, realizado na Câmara Municipal de São Paulo, e defenderam a necessidade de um trabalho coletivo para o desenvolvimento da sustentabilidade.

Ente as ações para estimular as pessoas a pensarem no meio ambiente, a COE (Comissão Organizadora Estadual) da Conferência Nacional Infanto-juvenil de Meio Ambiente realiza a cada dois anos encontros municipal, estadual e nacional para debater com alunos e professores maneiras para ajudar no processo. “O processo de desenvolvimento ambiental depende do trabalho coletivo e por meio desses encontros debatemos os temas e criamos o conceito colaborativos nas crianças”, afirmou uma das integrantes do COE, Camila Pau.

Para o vereador Ricardo Young (PPS), proponente do Seminário, a sustentabilidade depende do trabalho de todos. “Não é só uma questão governamental, da sociedade civil ou do setor privado. A sustentabilidade é de todos e devemos trabalhar em colaboração”, sinalizou.

Durante o seminário, Sheila Ceccon, do Instituto Paulo Freire, também ressaltou a necessidade de algumas mudanças no Projeto de Lei 415/2012, que institui o Plano Municipal de Educação entre 2011 e 2020, em tramitação na Câmara Municipal.

“O Legislativo precisa fazer audiências públicas temáticas e uma delas é sobre o meio ambiente. É necessário que exista uma sintonia entre o fazer na escola e o que está nos materiais didáticos. Por exemplo, existe uma lei para que as instituições comprem 30% de produtos orgânicos, mas elas fazem isso? O Plano de Educação deve reforçar essas leis e também trabalhar na formação dos educadores e promover uma gestão participativa”, afirmou.

Para Young, o trabalho na infância é fundamental para a sustentabilidade. “É importante desenvolver ações para estimular essa cultura na sociedade, e quanto mais cedo se começa é melhor”, disse.

Friedenbach prestigia aniversário da Guarda Civil



O líder do PPS na Câmara Municipal, vereador Ari Friedenbach, participou na tarde desta segunda-feira (16/9) de sessão solene que comemorou o aniversário de 27 anos da Guarda Civil Metropolitana. A iniciativa foi dos vereadores Mario Covas Neto e Coronel Telhada, ambos do PSDB. 

“É com grande alegria que participo dessa homenagem à Guarda Civil, que vem prestando, apesar das enormes dificuldades, um grande serviço à cidade”, disse Friedenbach, aliado da GCM e autor de diversos projetos na Câmara que procuram ajudar a instituição. 

“Normalmente nessas ocasiões se fala de festa e maturidade, mas hoje falamos de como a sociedade paulistana não consegue mais viver sem a GCM”, disse ao site da Câmara o Inspetor Gilson Pereira de Menezes, que comanda a corporação. 



Também a site da Câmara, o Secretário Municipal de Segurança Urbana, Roberto Porto, falou das dificuldades que a GCM enfrenta, como a necessidade de um efetivo maior e de um novo plano de carreira. “Juntos vamos reverter esse quadro”, afirmou, fazendo uma avaliação positiva da guarda. “Apesar da situação atual, me deparo diariamente com um trabalho de excelência”.

Covas Neto lembrou as tarefas que a corporação ganhou com o passar dos anos. “É um trabalho essencial de rondas nas escolas e redução do uso inapropriado do espaço público”, citou.



Fotos - Gabinete Ari Friedenbach e Mario Covas Neto 

sábado, 14 de setembro de 2013

Seminário 'Educar para a Sustentabilidade: Desafios e Perspectivas'

No próximo dia 16 de setembro, das 14h às 19h, o vereador Ricardo Young (PPS) promove o Seminário "Educar para a Sustentabilidade: Desafios e Perspectivas". O evento será realizado no Auditório Prestes Maia da Câmara Municipal. 

“Neste Seminário, teremos a oportunidade de refletir sobre a força da Carta da Terra, a potência do Tratado Internacional de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global, Agenda 21 e Políticas Públicas de Educação Ambiental”, afirma o vereador, que é presidente da Frente Parlamentar da Sustentabilidade da Câmara. 

Veja abaixo a programação completa. 




quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Audiência debate caso de menores agredidos na Fundação Casa

Site da Câmara 

Os dois agressores que apareceram na reportagem exibida em 18/8 no Fantástico, da TV Globo, espancando menores de idade nas dependências da Fundação Casa, obtiveram licença médica pelo INSS. Já os outros três que também foram denunciados estão trabalhando em funções administrativas na unidade da Vila Maria. É o que afirmou o vice-presidente da instituição, Antonio Cláudio Pitério, durante a audiência pública promovida pela Comissão Extraordinária Permanente de Defesa dos Direitos Humanos, Cidadania e Relações Internacionais. Os vereadores do PPS, Ricardo Young e Ari Friedenbach, participaram do debate. 

Ocorrida no Auditório Prestes Maia na Câmara Municipal, o evento contou com a presença de mães de detentos, grupos que lutam em favor dos diretos das crianças e adolescentes e do advogado dos funcionários da Fundação Casa. Logo no início, a reportagem do Fantástico foi exibida para a plateia e em seguida a vereadora Juliana Cardoso (PT) abriu para as explanações.

Pitério foi categórico e repudiou o acontecido nas unidades da Vila Maria e Vila Leopoldina e ressaltou que no dia 20/8 foi instaurado um processo administrativo contra os cinco funcionários. Todos apresentaram a sua defesa por meio de advogados. “Paralelamente há uma sindicância administrativa em curso para ver se teve mais funcionários que participaram das agressões. Além disso, os adolescentes agredidos foram realocados para outras unidades da Fundação Casa”.

Amanda Lúcia era uma das mães presentes e relatou que a violência nas dependências da Fundação Casa não ocorre somente nas unidades denunciadas pela reportagem da TV Globo, mas em várias unidades da instituição. “Meu filho de 17 anos foi espancado durante a madrugada enquanto dormia na unidade da Raposo Tavares. Ele foi para o IML, foi comprovada a agressão, mas não aconteceu nada com os agressores. Agora querem transferir o meu menino de unidade. Quem tem que ser punido não é ele”, reclamou.

Presente na audiência, a coordenadora da Pastoral do Menor, Sueli Camargo, condenou o atos de violência. "Infelizmente o que tem ocorrido na Fundação Casa faz com que o adolescente volte para a rua pior do que entrou", disse Sueli Camargo, coordenadora da Pastoral do Menor.

De acordo com Pitério, essas situações devem ser muito bem analisadas e tomadas as medidas necessárias, mas não se pode perder de vista as grandes conquistas sócio-educacionais que a Fundação Casa conseguiu nos últimos anos. (Rafael Carneiro Cunha)

Comissão de Transportes acelera e "avalia" projetos em tempo recorde

"Projeto de lei número tal. Em discussão. Encerrada a discussão. A votos. Aprovado." Foram essas frases regimentais que dominaram o trabalho da Comissão de Trânsito e Transportes da Câmara na tarde desta quarta-feira (11/9). Depois de ter uma reunião cancelada há duas semanas, uma das comissões mais relevantes da Casa realizou um de seus encontros mais rápidos do ano. Os vereadores, que já haviam chegado atrasados, levaram 14 minutos para avaliar os 8 projetos de lei em pauta e irem embora.

Ricardo Young (PPS), sempre protagonista de debates com o presidente da Comissão, não estava presente. O vereador é conhecido por sempre propor a discussão mais aprofundada dos projetos, mesmo quando Senival Moura (PT), que comanda os trabalhos, alega não ser essa a “praxe”.

Na reunião de hoje, a fala de maior duração foi feita pelo Coronel Telhada (PSDB), que apresentou propostas de associações formadas por taxistas da cidade. Os profissionais reivindicavam pautas como o uso de faixas exclusivas e a atenção do poder público para a venda de alvarás de funcionamento, prática considerada ilegal.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Líder do PPS mostra preocupação com aumento do número de moradores de rua na cidade



O líder do PPS na Câmara, vereador Ari Friedenbach, utilizou a tribuna da Câmara durante o Pequeno Expediente nesta terça-feira (10/9) para abordar a questão dos moradores de rua na cidade. Segundo ele, não se trata de pessoas em situação de rua, mas pessoas que moram há mais de cinco anos nas ruas.

“Não se trata de faxina étnica, mas de oferecer condições de dignidade”. Para o líder do PPS, existe um grande déficit de moradias na cidade que precisa ser resolvido com velocidade. 

“Precisamos desapropriar terrenos, construir unidades habitacionais para essa população que está completamente à margem de qualquer serviço ou atendimento”. Veja a íntegra do projeto. 

"Sr. Presidente, Srs. Vereadores, telespectadores da TV Câmara São Paulo, hoje quero falar sobre um problema muito grave que afeta a nossa cidade: moradores de rua.

Andando pela Cidade, tenho observado que há um número cada vez maior de pessoas morando nas ruas.

Muito se fala da diferença entre moradores de rua e pessoas em situação de rua. Segundo pesquisa recente da Prefeitura de São Paulo, 95% das pessoas em situação de rua estão há mais de cinco anos morando nas ruas. Obviamente, então, essas pessoas não estão em situação de rua, mas estão efetivamente morando nas ruas de São Paulo, à margem da sociedade e da cidadania.

Ontem mesmo, passando pela Praça da Sé, observei acampamentos no Marco Zero, ponto turístico e símbolo da Cidade. O fato de essas pessoas estarem morando em barracas não só tira delas o mínimo de condição como cidadãos, mas também coloca em risco todas as pessoas que por lá trafegam. Pela falta de visibilidade na região, as autoridades e a Polícia não têm sequer condições de manter a segurança, uma vez que aquilo está tomado de barracas.

O mesmo ocorre em toda a região central da cidade de São Paulo: muitas pessoas morando nas ruas. No bairro em que moro tenho visto – e ando muito pelo bairro – cada vez mais pessoas morando nas ruas centrais da cidade de São Paulo. É muito importante que as nossas autoridades, ainda que haja uma questão social envolvendo os moradores de rua, tirem essas pessoas das ruas. Não se trata apenas de faxina étnica, mas de oferecer condições de dignidade.

Há um déficit gigantesco de moradias na cidade de São Paulo e no plano de Governo há uma previsão de 50 mil moradias. Segundo dados que levantei, há verbas para se construir unidades habitacionais para essas pessoas. Existem problemas de se encontrar terrenos disponíveis na nossa Cidade. As autoridades precisam tratar dessa questão com toda a seriedade que exige.

Precisamos desapropriar terrenos, construir unidades habitacionais para essa população que está completamente à margem de qualquer serviço ou atendimento. Há um número crescente, num levantamento de 2009, de 11 mil moradores de rua. Em 2011, esse número passou a 14 mil pessoas morando nas ruas da cidade de São Paulo. Insisto em dizer que não se trata de pessoas em situação de rua, são pessoas que moram há mais de cinco anos nas nossas ruas.

Quero deixar registrado que peço às nossas autoridades para que olhem com muita atenção a situação dessas pessoas que estão à margem da sociedade e precisam de cuidados especiais. Todos nós, cidadãos, que pagamos impostos, merecemos caminhar pela Cidade com o mínimo de segurança, sem termos de nos deparar com pessoas morando em condições absolutamente sub-humanas.

Nós, Vereadores, precisamos cobrar e exigir das autoridades que olhem com muita atenção e carinho para esse problema gravíssimo.

Era o que tinha a dizer. Muito obrigado, Sr. Presidente".

Young debaterá projeto que cria educação ambiental nas escolas



O vereador Ricardo Young (PPS) usou a tribuna da Câmara Municipal nesta terça-feira (10/9) e convidou os cidadãos da cidade para debater o projeto de lei de autoria do vereador Dalton Silvano, que institui a disciplina “Educação Ambiental” na grade curricular do município. 

O projeto, que já foi votado em primeira votação, será discutido durante o seminário “Educar para a Sustentabilidade, Desafios e Perspectivas”, que acontece no Plenário Primeiro de Maio da Casa no próximo dia 16 de setembro, das 14h às 19h. 

“Nessa programação, além dos senhores vereadores, teremos convidados do Instituto Paulo Freire, representantes da Pré Cimea – Comissão Municipal Interinstitucional de Educação Ambiental, membros da Comissão Organizadora Estadual da Educação Ambiental e representantes do Secretário César Callegari”. Veja abaixo a íntegra do discurso. 

“Sr. Presidente, Sras. e Srs. Vereadores, ocupo a tribuna para falar de um evento que vai ocorrer na próxima semana, nesta Casa, que é de extrema importância.

Como V.Exas. sabem, o nobre Vereador Dalton Silvano está propondo uma legislação sobre educação ambiental e vem construindo essa legislação junto com a sociedade civil há alguns meses. Essa legislação já foi aprovada em 1ª discussão e já houve a primeira audiência pública em que o Vereador apresentou um substitutivo. Essa lei está a caminho de ser aprovada por nós e existe, por parte do Governo, uma grande satisfação em promulgá-la.

A qualidade dessa lei está menos no seu ponto de vista objetivo, que é educação para sustentabilidade e mais no seu ponto de vista subjetivo, que é educação para sustentabilidade como educação lato sensu, isto é, educação nas escolas, mas também fora das escolas. É uma legislação que dá subsídios para as empresas, para o Poder Público, para as escolas em geral trabalharem um tema que se não for trabalhado não haverá possibilidade de implantação de políticas públicas para a sustentabilidade de forma adequada.

Por exemplo, o Município tem o desafio enorme de implantar a política municipal de resíduos sólidos. E como vamos poder sensibilizar a Cidade inteira em relação aos resíduos sólidos se não fizermos um trabalho intensivo junto às famílias, os hábitos das pessoas, às crianças, adolescentes e empresas. Isso implica e é condicionado por uma ação robusta de educação para sustentabilidade.

Portanto, essa legislação é muito importante e, na próxima segunda-feira, dia 16 de setembro, das 14h às 19h, vamos ter um grande seminário na Casa: Educar para a Sustentabilidade, Desafios e Perspectivas. Nessa programação, além dos Srs. Vereadores, teremos convidados do Instituto Paulo Freire, representantes da Pré Cimea – Comissão Municipal Interinstitucional de Educação Ambiental, membros da Comissão Organizadora Estadual da Educação Ambiental, representantes do Secretário César Callegari, enfim, várias personagens importantes que estarão debatendo conosco a implantação dessa política.

Convido todos a estarem presentes porque, com esse seminário, estaremos mais bem preparados para a segunda audiência pública. E espero a aprovação da lei do nobre Vereador Dalton Silvano. Era o tinha por hoje, Sr. Presidente. Muito obrigado, Senhor Presidente".

Comissões da Verdade se reúnem na Câmara



Site da Câmara - Foto - Luiz França/CMSP

Nesta segunda-feira (9/9), a Comissão Municipal Vladimir Herzog se reuniu com integrantes das Comissões Nacional e Estadual da Verdade para trocar informações e traçar diretrizes comuns para continuar as investigações dos casos de tortura no Brasil. Ouça abaixo a matéria realizada pela Rádio Web Câmara.

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Ciclistas reprovam projeto que emplaca bicicletas



Do Vai de Bike 

O Projeto de Lei do vereador Adilson Amadeu (PTB) que pretende emplacar as bicicletas do município de São Paulo (PL 224/2012), estava na pauta da reunião da Comissão de Trânsito, Transporte, Atividade Econômica, Turismo, Lazer e Gastronomia, ocorrida na quarta-feira, 04 de setembro, na Câmara Municipal. Além de estabelecer o emplacamento e licenciamento de bicicletas, o PL pretende obrigar o uso de capacete, óculos, luvas e “calçado de sola antiderrapante”.

A votação foi adiada por cinco sessões (cinco semanas), para que os ciclistas possam conversar com o vereador, convencendo-o a retirar o projeto. Amadeu não estava presente à sessão, que foi acompanhada por cicloativistas.

Desestímulo ao uso da bicicleta

Gabriel di Piero, da Ciclocidade, teve uso da palavra durante a seção. Além de explicar os obstáculos financeiros e burocráticos que o projeto traria e o desestímulo ao uso da bicicleta, na contra-mão de tudo o que se tem feito para uma cidade mais sustentável e equilibrada, Gabriel também questionou a aplicabilidade da lei. “Se eu sou morador de Osasco, de Santo André ou de Guarulhos, como é que eu faço? Eu não entro na cidade de São Paulo? Ou os ciclistas de São Paulo vão ter que dizer que são de outros municípios, para não emplacarem suas bicicletas?”

O representante da Associação de Ciclistas de São Paulo também questionou o custo que isso geraria para o município com a fiscalização. E contestou a afirmação de Adilson Amadeu, de que o crescimento das bicicletas provoca mais acidentes, assim como a falta de equipamentos. “A lógica não é essa, as pesquisas não mostram isso, elas mostram que a falta de infraestrutura e a má conduta dos motoristas é que causam os acidentes”, reforçou. E lembrou que tanto Márcia Prado como Juliana Dias e Antônio Bertolucci estavam de capacete quando morreram.

O vereador Ricardo Young (PPS), contrário ao PL, ressaltou mais uma vez a importância da mobilização da sociedade civil contra o projeto, que não trará benefício nenhum à cidade: “a comissão não tem concordância em relação a esse projeto, o que é um passo bastante bom (…) mas precisamos conversar com o Vereador Adilson Amadeu”. Young reforçou a importância do contato dos cidadãos com o proponente do PL, o que pode ser feito através de e-mail.



quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Bancada do PPS não endossa homenagem à Rota


Os vereadores do PPS não endossaram o Projeto de Decreto Legislativo 6/13, que concede a Salva de Prata da Câmara Municipal à Rota – Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar. A iniciativa foi do vereador Paulo Telhada (PSDB) e provocou tumulto nas galerias da Câmara. Simpatizantes da polícia e manifestantes pró-direitos humanos gritaram durante a votação do polêmico projeto. 



Para Ricardo Young, que votou contra a propositura, a Câmara foi vítima de uma pressão corporativa para homenagear uma instituição que tem controvérsias na sociedade. “A Rota tem um histórico extremamente polêmico”, afirmou. 

Já o líder do Partido, vereador Ari Friedenbach, preferiu votar pela abstenção. A proposta foi aprovada por 37 votos favoráveis e 15 contrários e irá à promulgação. 

video


video

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Ricardo Young critica paralisação dos trabalhos devido à homenagem à Rota




O vereador Ricardo Young (PPS) criticou nesta terça-feira (3/9) a lentidão dos trabalhos na Câmara Municipal de São Paulo depois dos sucessivos adiamentos da aprovação do projeto que homenageia a Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar). Durante seu discurso no plenário, Young justificou sua posição em relação à proposta.

“Nunca vi uma divisão tão grande entre os vereadores. A Casa está paralisada há duas semanas. Se não temos consenso sobre isso, devemos adiar a tramitação, não fazê-la passar na base da marretada”, declarou. 

“Eu votarei contra a Salva de Prata, o que não quer dizer que eu seja contra a Polícia, mas a favor da boa Polícia. Sabemos a afronta que isso significa aos direitos humanos”, disse Young, que é contra homenagear instituições públicas. 

A Salva de Parta (PDL 6/13), de autoria do vereador Paulo Telhada (PSDB), foi aprovada com 37 votos a favor, 15 contra e abstenção do vereador Ari Friedenbach, líder do PPS. Leia abaixo a íntegra do discurso de Ricardo Young:



“Sr. Presidente, Srs. Vereadores, eu queria alertar a Casa sobre o seguinte: estou aqui há oito meses e nunca vi uma divisão tão grande entre os Srs. Vereadores em relação a uma homenagem. Isso demonstra claramente que não há consenso na Casa para esta homenagem.

Quando nós fazemos uma homenagem aqui, Srs. Vereadores, é a Casa quem faz. É direito do Vereador propor, mas é a Casa que faz a homenagem. Como podemos fazer uma homenagem com a Casa dividida? Claramente esta Casa reflete o que existe na sociedade e a sociedade diz: não temos consenso para homenagear a ROTA. Não temos consenso.

Isso não é uma questão de defender ou de ser contra a polícia. É óbvio que a polícia é necessária, mais do que isso, é óbvio que uma polícia preparada é necessária. É óbvio também que uma polícia não pode atentar contra os direitos humanos. É óbvio também que quando a polícia atua na periferia precisa respeitar as pessoas que ali moram, não pode tratá-las como se fossem cidadãos de segunda categoria. Tudo isso é óbvio.

Agora, não temos consenso suficiente aqui para fazer uma homenagem.

A Casa está parada há duas semanas por causa disso, então não é a Casa que tem de ser forçada a chegar a um consenso, mas sim o projeto precisa ser retirado, porque está dividindo a Casa e está levantando divergências que não tínhamos antes.

Podemos superar as divergências? Talvez sim. Mas não dessa forma. Não tentando fazer passar um projeto na base da marretada. É o que está ocorrendo aqui.

Quero deixar muito claro que vou votar contra, mas o meu voto contra, nobres Vereadores Coronel Telhada, Coronel Camilo e Conte Lopes, não é um voto contra a polícia, é a favor da boa polícia. 

Como também penso que nós não podemos homenagear instituições quando cumprem a sua função. A ROTA tem de cumprir com a sua função e não pode atentar contra os direitos humanos. É evidente.

Quero fazer um apelo para Casa, da mesma forma que o nobre Vereador Coronel Telhada fez, pedindo para que vocês, na dúvida, não votem a favor, porque é a Câmara que está fazendo esta homenagem. Nós não somos obrigados a fazer. Se estamos divididos, temos de conversar mais. Temos de conseguir construir consenso, não vamos votar divididos. É isso que peço para a Casa. Muito obrigado, Sr. Presidente”.